Noite a correr pela alma do Porto

  • by

Dezenas de atletas fizeram um treino de 10 km para preparar a 'Gaya Legendary Running', uma prova que vai iluminar os trilhos da marginal de Gaia, à noite.

Preparação para a ‘Gaya Legendary Running’, à noite

Trail Running

Á noite, ligam-se as pequenas luzes frontais na imensa escuridão. Apertam-se os cordões. Aquece-se o corpo para a frescura de correr ao fim de um dia quente de verão. Juntam-se dezenas de atletas que preferem usufruir do prazer do Trail Running numa versão “mais romântica”, noctívaga.

 

 

 

Dezenas de atletas fizeram um treino de 10 km para preparar a 'Gaya Legendary Running', uma prova que vai iluminar os trilhos da marginal de Gaia, à noite.

Preparação da ‘Gaya Legendary Running’, à noite

Organização da prova

A organização que promove o evento não hesitou no horário escolhido para o desafio. “As provas que existem em Vila Nova de Gaia são de atletismo, provas de desporto ao ar livre, à noite, é algo quase inexistente, quer no trail, quer em meio urbano”, aponta André Oliveira. Foi ele quem deu o tiro de partida para um treino que surpreendeu alguns dos inscritos. Na cidade, às escuras, os becos são uma redescoberta, como o são os monumentos iluminados ou o incentivo dado por quem se senta na esplanada a beber um aperitivo e à chegada dos atletas lança em várias línguas um “Força aí”, que parece duplicar os watts dos frontais.

Provas à noite

“Este percurso é muito bonito. São zonas espectaculares aqui na marginal de Gaia. A noite é mais fresca para correr e não há trânsito, nem tanta poluição sonora. Respira-se melhor. Deveriam existir mais provas, tornava-se engraçado. É mais romântico”, salienta Paulo Sousa.

“Temos que ter mais foco na corrida, no percurso. Há muito desnível. Nunca se deve correr sem frontal e alerto os atletas para não correrem sozinhos e a levarem sempre o telemóvel. Hoje passámos por sítios completamente às escuras, onde não se vê um palmo à frente”, adverte André Oliveira, o organizador da “Gaya Legendary Running” que no ano passado levou 700 pessoas à Afurada. “Na edição anterior, aparecemos de repente mesmo à porta dos pescadores e eles correram com os atletas uns 100 ou 200 metros”.

 

 

Fonte: Jornal de Noticias