Xylella Fastidiosa

  • by
A bactéria «Xylella Fastidiosa» foi detetada, a 3 de janeiro de 2019, numa sebe ornamental de alfazema, no Zoo de Santo Inácio. Desde então que todas as precauções estão a ser tomadas para mitigar a evolução da doença

Existe alguma informação que importa reter! Em primeiro lugar é necessário saber que esta praga não afeta pessoas ou animais!

A Xyllella Fastidiosa é uma bactéria gram-negativa classificada como organismo de quarentena e que se dissemina por insetos, tendo uma ampla gama de hospedeiros.
Esta bactéria afeta culturas agrícolas, espécies florestais e ornamentais

AS PRINCIPAIS ESPÉCIES AFETADAS pela Xyllella Fastidiosa são videiras, oliveiras, citrinos, sobreiros, amendoeiras, Cerejeiras, ameixeiras, figueiras e muitas plantas ornamentais e da flora espontânea.

Esta doença propaga-se sobretudo pelo comércio de plantas contaminadas, mas Pode ocorrer por transporte de insetos vetores infetados em material vegetal.

A espécies afetadas apresentam como sintomas murchidão e queimaduras na zona marginal e apical das folhas. Em casos mais graves leva à morte das plantas.
De referir que muitas plantas podem não apresentar quaisquer sintomas

Ainda não há tratamento contra a Xylella Fastidiosa, mas em Vila Nova de Gaia, tudo está a ser feito para conter a doença tendo por base as medidas do Plano de Contingência da Direção Geral de Alimentação e Veterinária.

Para combater esta praga contamos com a sua ajuda: Esteja atento e em caso de alerta comunique à Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.
Para saber mais sobre a Xilella Fastidiosa e esclarecer as suas dúvidas consulte os sites da Direção Geral de Alimentação e Veterinária e da Direção Regional de Agricultura e Pescas